Nos últimos anos, a Black Friday se consolidou no calendário do varejo brasileiro. O bom desempenho atrai a atenção dos comerciantes, consumidores e, infelizmente, dos estelionatários.

O principal vetor dos ataques na Black Friday é chamado de “phishing”. As táticas desse tipo de ataque são sempre as mesmas: criminosos enviam e-mails e SMS falsos, com supostas ofertas tentadoras de eletrodomésticos, smartphones e outros produtos com preços bem inferiores ao do mercado e, se a vítima acreditar e clicar no link, estará num site falso, comprometendo seus dados da compra, como exemplo, os dados do cartão de crédito e os dados pessoais.

Alguns sites falsos oferecem a opção de pagamento por boleto bancário e, se a vítima pagar o boleto, nunca receberá o produto! Para isso, os estelionatários costumam abusar dos nomes dos varejistas conhecidos e já estabelecidos no mercado, criando domínios falsos e divulgando as falsas ofertas. No Brasil, vem crescendo a modalidade de compras através das redes sociais. Facebook e Twitter são as preferidas dos usuários, e portanto passaram a ser também o principal meio de atuação desses ataques. Seguem alguns exemplos de “Phishing”:

Mobile-Marketing-Strategy-Examples

BF_1

BF_2

 

BF_3

 

Como evitar os golpes? 

Qualquer um pode cair em ciladas digitais, até mesmo os usuários mais experientes, pois os malfeitores costumam se preparar bem antes dos eventos como a Black Friday e o Natal. Então, como evitar um inconveniente justo no final do ano? Abaixo você encontra cinco dicas muito úteis:

– Não clique em links: evite ao máximo clicar em endereços, especialmente os desconhecidos. Essa é a forma mais comum das pessoas mal-intencionadas instalarem um malware em sua máquina ou dispositivo.

– Desconfie de mensagens SMS e anúncios do Facebook: essas modalidades são novidades nesta temporada, especialmente nas redes sociais. Duvide muito daquele iPhone 8 com preço de geração anterior. Uma boa forma de confirmar se a oferta é mesmo real é abrir uma página em branco e buscar o item com desconto no site oficial da rede varejista.

– Verifique o nome do domínio e o cadeado de segurança: eis duas medidas simples que podem evitar muita dor de cabeça. Para saber se a navegação é segura, basta verificar se o site possui conexão SSL (“o cadeado verde ao lado do endereço – https://“) e se a nomenclatura das páginas estão corretas. É comum os criminosos utilizarem links famosos com pequenas alterações, a exemplo de “sitedeconpra.com” ou “saitedecompra.com” ao invés de “sitedecompra.com“.

– Verifique o dono do site: antes de concretizar a compra de uma oferta tentadora, sempre consulte a lista do Procon e a sessão “Whois” do Registro.br. É uma maneira rápida e prática de verificar quem registrou o site. Fuja se for desconhecido!

– Evite fazer compras utilizando Wi-fi público. Redes públicas podem ser inseguras, o que abre brechas para o roubo de informações, situação que pode ser catastrófica quando estamos falando de compras online e cartões de crédito.

Mesmo depois de todos esses cuidados, ninguém está totalmente salvo dos criminosos na rede. A recomendação, portanto, é ficar esperto: desconfie de links com preços inacreditáveis, cupons de desconto que caem do céu e demais ofertas absurdas. A única forma de comprar com segurança é visitando o site oficial da loja e fazendo a boa e velha pechincha — em lojas tradicionais e sites seguros, claro!

Fontes:

http://www.gazetadopovo.com.br/economia/nova-economia/como-nao-cair-em-golpes-na-black-friday-50koaiajlpbvfsklcaj4q0owf?ref=aba-ultimas 

https://canaltech.com.br/e-commerce/cuidado-com-os-golpes-de-phishing-nesta-black-friday-84627/ 

https://www.tecmundo.com.br/seguranca-de-dados/111898-fique-olho-golpes-ciberneticos-durante-compras-final-de-ano.htm

 

Escrito por sicoobcredicitrus

1 comentário

  1. Excelente orientação. Vale a pena compartilhar.

    Responder

Deixe uma resposta