É importante, principalmente para os novos empreendedores, entender como funciona o mercado financeiro e suas instituições. Isso porque, muitas vezes, o gestor responsável precisa recorrer às instituições financeiras por uma série de motivos: seja para um empréstimo, para conseguir liberar uma quantia alta disponível, entre outros.

Por isso, é fundamental conhecer quais são os tipos de instituições financeiras que atuam no Brasil, a fim de saber a quais delas recorrer em cada situação, otimizando tempo em sua rotina e na de seus funcionários. Continue lendo o nosso post e entenda como opera cada uma delas.

Bancos comerciais

Os bancos comerciais (que podem ser privados ou públicos) têm por objetivo proporcionar recursos necessários para financiar, a curto e a médio prazo, diversas instituições, como comércio, setor industrial, prestadoras de serviços, pessoas físicas, entre outros.

É essa a instituição responsável pela captação de depósitos à vista (aqueles que são feitos em contas correntes e o dinheiro fica à disposição imediata do cliente) e que, normalmente, recebe também depósitos a prazo (o dinheiro só fica disponível em uma data futura, pré-estabelecida – um exemplo é o CDB). Sua constituição precisa ser realizada por meio de sociedade anônima e sua denominação social deve ter a expressão “banco”.

Os bancos que normalmente a maioria da população frequenta corriqueiramente estão na modalidade “bancos comerciais”. Além dos serviços corriqueiros (como abertura de crédito, captação de depósitos, cheques especiais, entre outros), também realizam serviços complementares, tais como:

  • cobrança mediante comissão;
  • recebimento de impostos;
  • serviços de câmbio, entre outros.

Bancos de desenvolvimento

São locais obrigatoriamente controlados pelos governos estaduais e têm como objetivo oferecer os recursos necessários ao financiamento e à realização de programas e projetos cujo intuito seja o desenvolvimento econômico e social do estado referente.

Normalmente, realizam as seguintes operações:

  • depósitos a prazo;
  • empréstimos externos;
  • emissão de cédulas de hipotecas, entre outros.

Eles devem pertencer ao regime de sociedade anônima e sua sede deve ser na capital do estado em que se localiza. Sua denominação social deve conter a expressão “Banco de Desenvolvimento”, seguida do nome do estado em que tem sede. Então, por exemplo, em Minas Gerais o nome é Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG).

Bancos de investimentos

Como o próprio nome sugere, são instituições financeiras cuja função principal é a realização de operações de investimentos, participações ou financiamentos a médio e longo prazo, como forma de suprimento de capital fixo ou de movimento para organizações privadas.

Eles devem ser constituídos por meio de sociedade anônima e, em sua razão social, devem ter o nome “Banco de Investimento”. Não atuam com contas correntes, e sua captação de recursos é feita por meio de depósitos a prazo, vendas de cotas de fundo de investimentos, entre outros.

A sua função é oferecer o suporte financeiro de capital de giro e fixo para que empresas possam realizar suas funções adequadamente, ampliar suas áreas de atuação, realizar investimentos internos, entre outros.

São instituições que pode também realizar, de forma secundária, as seguintes operações:

  • aquisição de títulos e valores mobiliários;
  • depósitos interfinanceiros, entre outros.

Cooperativas de crédito

As cooperativas de crédito são instituições formadas por uma associação de pessoas, cujo objetivo é prestar serviços financeiros exclusivamente para os associados da cooperativa. Assim, as pessoas participam de sua gestão e usufruem, ao mesmo tempo, dos seus produtos e serviços.

Normalmente, são formadas por pessoas atuantes em um mesmo segmento, que se unem em prol de promover condições para que um determinado setor consiga se fortalecer no mercado. Porém, também podem ser de livre admissão, sendo essa uma modalidade em constante crescimento no país. Nessa modalidade, os associados também são responsáveis por questões essenciais da instituição: eles são donos também das cooperativas de crédito.

Os resultados financeiros são divididos entre os cooperados, o que representa um ganho para aqueles que decidam investir nessa área. Para entrar como sócio na cooperativa, normalmente é necessária a realização de integralização em cotas de capital.

Sociedades de Crédito Direto

Modalidade de instituição financeira criada pelo Banco Central em 2018, tem como objetivo a realização de operações de empréstimo, financiamento e aquisição de direitos creditórios, porém realizados de forma exclusiva em plataforma eletrônica. Não é um banco em si, de forma que não pode captar recursos junto aos seus clientes.

Também podem realizar serviços de:

  • analisar crédito para terceiros;
  • cobrar crédito de terceiros;
  • ser representante de distribuição de seguros nas áreas de operação de empréstimos;
  • emitir moeda eletrônica.

É uma modalidade que surge a partir da criação dos bancos digitais, atualizando-se de acordo com as demandas do mercado. Elas só podem realizar a venda e cessão de créditos referentes às suas operações para as seguintes entidades:

  • instituições financeiras;
  • fundos de investimentos em direitos creditórios;
  • companhias securitizadoras.

Corretoras de valores

Dentre os tipos de instituições financeiras existentes no Brasil, as corretoras de valores podem ser divididas em duas categorias: as de câmbio e a sociedade corretora. A seguir, saiba mais sobre cada uma delas:

Corretora de câmbio

São empresas responsáveis por compra e venda de moedas estrangeiras e intermediações de questões relacionadas ao mercado de câmbio. Fazem a intermediação de operações entre os clientes e bancos no que concerne à compra e venda de moedas estrangeiras ou transações que operem com moedas estrangeiras.

São responsáveis pela entrada e saída de moedas do/para o exterior, dentro do limite de US$ 100.000,00 ou seu equivalente na moeda de operação. São diferentes dos bancos que atuam com operações de câmbio.

Sociedade corretora

As sociedades corretoras são uma espécie de intermediário entre os mercados financeiro, cambial e de capitais.

Bancos múltiplos

São instituições financeiras (podendo ser privadas ou públicas) que atuam em diversas frentes de operações (ativas, passivas e acessórias) e funcionam como uma espécie de intermediário entre os investidores e tomadores de empréstimos. Realizam suas atividades por meio das seguintes carteiras:

  • comercial;
  • investimento;
  • desenvolvimento;
  • crédito imobiliário;
  • arrendamento mercantil;
  • crédito.

Assim, é um tipo de instituição que trabalha com uma série de possibilidades diferentes e deve atuar com, pelo menos, duas das carteiras citadas anteriormente, sendo uma delas, obrigatoriamente, comercial ou de investimento. Além disso, os bancos múltiplos devem ser organizados sob a forma de sociedade anônima.

Todas essas instituições estão submetidas às regras do Banco Central, de forma que as especificações que mencionamos acima devem ser seguidas por todas elas. Como você pode perceber, são diversos os tipos de instituições financeiras existentes, cada uma operando com determinadas funções que atendem aos anseios e às necessidades dos empreendedores. Assim, quando precisar dos serviços de alguma delas, encaminhe-se para aquelas que mais se adéquam às suas necessidades, para economizar tempo e agilizar os procedimentos.

Quer mais dicas importantes para manter as operações financeiras do seu negócio em dia e tirar suas dúvidas sobre esses assuntos? Assine nossa newsletter e receba artigos imprescindíveis para empreendedores diretamente em seu e-mail!

Escrito por sicoobcredicitrus

1 comentário

  1. APARECIDO LUZIO DIAS 27 de fevereiro de 2019 às 19:36

    Bom saber

    Responder

Deixe uma resposta