O décimo primeiro webinar da Jornada Somar Forças da Credicitrus, realizado no dia 15 de outubro, abordou o tema “Impactos da Digitalização e do Home Office na Vida das Empresas”. No evento, os cooperados e empresários Glauber Alves da Mata, de Frutal, MG, e Carlos Squisate, de Barretos, SP, compartilharam as experiências de adaptação de suas organizações às exigências de distanciamento social em razão da pandemia da Covid-19. Na sequência, os gerentes da Credicitrus Eleandro Piovezana (Recursos Humanos), Gesiel Gomes (Tecnologia) e Tiago Sartori Costa (Inovação) discorreram sobre os avanços introduzidos, nesse período, no dia a dia da Cooperativa e no apoio proporcionado aos seus associados. O encontro teve como mediador o Professor Marcos Fava Neves, da USP e da FGV, e contou com a participação do diretor Comercial da Cooperativa, Domingos Sávio Oriente Franciulli, e da gerente de Relacionamento, Karina Cavazane.

Na abertura do evento, Marcos Fava Neves enfatizou: “O que ocorreu de março a setembro foi a maior mudança do ambiente de negócios que eu vi em 30 anos trabalhando com planejamento estratégico”. Lembrou que o surgimento do novo coronavírus representou, para os negócios no mundo inteiro, uma variável macroambiental que desfez o clima de otimismo com que 2020 se iniciou, impondo a todas as organizações a necessidade de rapidamente se ajustarem à nova realidade. Nesse cenário, o trabalho em home office e o uso de soluções digitais para a comunicação interna e externa das empresas têm mostrado resultados positivos: “as pessoas rapidamente se acostumaram à nova realidade e foram quebrados tabus, como o de que trabalhar em casa seria menos produtivo”. Complementou afirmando que já se começa a discutir o que, no conjunto das inovações introduzidas no mercado, deverá ser mantido e o que poderá voltar a ser como antes da pandemia.

Domingos Sávio ressaltou que o tema do webinar, realizado justamente quando se comemora o Dia Internacional do Cooperativismo de Crédito, está em sintonia com o tema da celebração, que é “Inspirar esperança para uma comunidade global”. Ressaltou que, nesse sentido, o objetivo da Jornada Somar Forças é compartilhar conhecimento e experiências, contribuindo para melhorar a vida de pessoas e empresas, sendo “a missão maior de uma cooperativa”. Em seguida, discorreu sobre o Market Club Credicitrus, salientando que é “o ecossistema de interação entre cooperados e parceiros, que desde 2018 conecta pessoas e negócios”. Explicou brevemente suas cinco frentes de atuação, dando destaque especial à de feiras e eventos virtuais, lançada neste ano, em resposta às exigências de distanciamento social. “Fabricantes dos mais variados produtos podem divulgá-los gratuitamente. Essa inovação foi lançada em junho e hoje temos quase 400 empresas cadastradas e já realizamos mais de R$ 10 milhões em operações de crédito para o varejo”. Ao final, deixou um convite a cooperados e não cooperados, para que visitem o site e aproveitem as inúmeras oportunidades oferecidas, tanto para a divulgação de produtos e serviços, quanto para sua aquisição com facilidades e agilidade, concluindo: “Atuamos como consultores e parceiros, para gerar resultados para as comunidades em que estamos”.

Experiências compartilhadas

São resumidas, a seguir, as apresentações feitas pelos participantes do webinar.

Carlos Squisate, diretor do grupo CS Brasil, no qual se destaca a CS Energia Solar, fornecedoras de miniusinas fotovoltaicas para ambientes residenciais, rurais, industriais e comerciais, contou que os primeiros efeitos do distanciamento social foram preocupantes: “Fomos pegos de surpresa. No começo, foi caos. Mas logo direcionamos o olhar para o digital, além de tomar todas as medidas de higiene recomendadas nos contatos com clientes”. Acrescentou que o Market Club foi uma ferramenta fundamental para que a empresa se mantivesse em operação: “Nenhuma outra cooperativa tem isso. O Market Club foi crucial para que nosso avião não caísse, e continua nos auxiliando em nossos negócios”.

Glauber Alves da Mata, proprietário de duas empresas comerciais, uma de autopeças, outra de acessórios para veículos, revela que sua primeira preocupação foram as pessoas: “A proximidade com o colaborador foi essencial. Optamos por não demitir e, ao contrário, fizemos novas contratações, trazendo para nossas empresas profissionais para atuar em áreas como telemarketing, que não tínhamos, e profissionalizamos nossas vendas on-line”. Além de cuidados no relacionamento pessoal com clientes, como a criação de um serviço leva-e-traz de veículos, criteriosamente higienizados, também passou a utilizar o Market Club. Complementou afirmando que “as organizações que investiram em inovações antes da pandemia estão agora colhendo frutos”. Nesse particular, relatou que até fevereiro foi presidente da Associação Comercial de Frutal, na qual investiu em infraestrutura de comunicação digital, que hoje pode ser aproveitada sem qualquer custo pelas empresas filiadas à entidade.

Eleandro Piovezana, gerente RH da Credicitrus, salientou a responsabilidade da Cooperativa de cuidar de aproximadamente 110 mil associados e 950 colaboradores, com praticamente a totalidade da equipe profissional trabalhando em home office a partir de março. “Desde o início desse processo”, conta, “reunimos grupos para pensar como seria o futuro e discutir questões relacionadas ao momento que vivemos, compartilhar receios e dificuldades”. Hoje cerca de 60% dos funcionários permanecem trabalhando em suas residências, mas em formato mais flexível, recebendo apoio da Cooperativa para que tenham ambientes ergonômicos e com os recursos tecnológicos indispensáveis para a execução de suas tarefas de forma eficaz e segura. Os resultados têm sido positivos: “Sempre olhando para a frente, não só preservamos nossas estruturas de pessoas, como ampliamos nosso quadro e inauguramos novas unidades. A produtividade tem sido maior, com foco mais concentrado e melhor direcionamento e organização das atividades”. Em paralelo, as rotinas de recrutamento, seleção e admissão de colaboradores passaram a ser totalmente digitais, com mais eficiência. E concluiu: “Hoje vivemos um novo formato de vida integrada, unindo o pessoal, o familiar, o profissional e o social, sem separação de papéis, e a tendência é que isso se mantenha”.

Gesiel Gomes, gerente de Tecnologia, afirmou que a Credicitrus sempre priorizou dois pilares, as pessoas e a tecnologia, e pôde adotar uma série de medidas de ajustamento em muito pouco tempo porque já tinha investido muito preparando-se para o futuro e só teve que acelerar algumas providências. Assinalou: “No mundo agro, há um ditado que diz que quem planta, colhe; nós dizemos que quem cuida, colhe melhor”. Ressaltou, por exemplo, que o trabalho em home office já estava previsto no planejamento estratégico da Cooperativa há dois anos para ser implementado a partir de abril de 2020 como piloto. Assim, teve que ser antecipado e ajustado para operação plena. Da mesma forma, foram adotados cuidados adicionais com a segurança, que ficou mais robusta, incluindo a adoção da assinatura digital, permitindo que grande parte das operações feitas pelos cooperados sejam realizadas do início ao fim sem necessidade de rubricas e assinaturas de forma convencional. Nesse particular, afirmou: “O mecanismo digital é ainda mais seguro do que a grafia, temos mais meios comprobatórios”. Também deu ênfase às plataformas de comunicação, como o WhatsApp, o fortalecimento das ferramentas de colaboração entre funcionários, a unificação de canais de relacionamento à disposição dos cooperados e a introdução do robô Leo, que atende o associado, dá-lhe informações sobre produtos e serviços e, a seu pedido, o direciona para seu gerente de negócios. Ainda no campo da comunicação associada à segurança, deu ênfase à realização das assembleias da Cooperativa, relembrando que, na AGO, foi alcançado o recorde de participação (na Cooperativa e no cooperativismo brasileiro) de quase 10 mil cooperados votando por meio de aplicativo 100% digital. Finalizou: “Investir em pessoas e tecnologia é essencial para o futuro de qualquer negócio. Não se sabe como será o chamado novo normal, mas com certeza terá pessoas e tecnologia”.

Tiago Sartori Costa, gerente de Inovação, Transformação Digital e Projetos da Cooperativa, iniciou sua apresentação mostrando o cenário previsto pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT): até 2025, 49% de todos os processos do mundo serão robotizados, o que provocará uma transformação nos empregos. Isso não significará perdas para as pessoas, mas necessidades de mudança e adaptação. Os robôs terão a seu cargo processos repetitivos como raciocínio, tomada de decisão, tarefas administrativas e busca de informações. Os veículos autônomos, sem condutor, e o PIX são exemplos recentes de processos robotizados. Por outro lado, as pessoas permanecerão pensando, respondendo por comunicação, interação, coordenação, gerenciamento e aconselhamento. A área de Inovação foi criada na Credicitrus há um ano e 10 meses, com o desafio de “pensar fora da caixinha”. Para isso, além de se conectar ao ecossistema de inovação no Brasil, instalou um posto avançado no Vale do Silício, nos Estados Unidos, com o objetivo de criar conexões com empresas e instituições inovadoras, realizando contatos promissores com indústrias de alimentos e empresas ligados ao agronegócio, entre outras. Em março, o trabalho nos EUA teve que ser interrompido, mas prosseguirá após a pandemia. Tiago revelou que sua área vem dedicando atenção especial a dois pilares: Credicitrus 4.0, em parceria com TI, visando a otimizar processos, em especial no relacionamento com os cooperados por meios digitais; e Nossa Essência, com foco nas pessoas, para que entendam a aceleração e a transformação digital, os novos papéis que terão que desempenhar e, assim, encontrar o equilíbrio entre o digital e o presencial, visando a melhorar seu desempenho, aumentar sua satisfação e contribuir para a evolução dos cooperados.

Assista à integra do webinar

Escrito por sicoobcredicitrus

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *