Duas boas notícias foram dadas no vigésimo sexto episódio da Jornada SOMAR Forças da Credicitrus, realizado no dia 28 de junho, Dia do Agricultor: o Sicoob estima aplicar R$ 25 bilhões no financiamento das atividades agropecuárias neste ano agrícola iniciado em 1º de julho; os produtores rurais cooperados terão crédito suficiente para cobrir suas necessidades de custeio, investimento e comercialização até 30 de junho de 2022 não só com valores repassados pelo Sicoob, mas também, se for preciso, com dinheiro da tesouraria da Credicitrus, em especial para operações de investimentos com taxas muito competitivas e condições similares às do BNDES.

Participaram desse episódio, como convidados especiais, o diretor executivo Comercial de Canais do Sicoob, Francisco Silvio Reposse Junior, e o produtor rural José Antonio Nogueira, escolhido para ser homenageado em nome de todos os agricultores e pecuaristas cooperados. Ainda participaram o professor Marcos Fava Neves, da USP e da FGV, mediador de todos os encontros já realizados, os diretores executivos da Credicitrus Domingos Sávio Oriente Franciulli (Comercial), Marcelo Antonio Soares (Operações) e Marcelo Martins (Tecnologia e Gestão) e a gerente de Relacionamento Corporativo, Karina Andriazi Cavazane.

A Jornada SOMAR Forças, lançada em maio de 2020 em razão da pandemia, é uma série de seminários online que tem proporcionado aos cooperados conhecimento atualizado sobre temas relevantes para o seu dia a dia por meio de palestras e relatos de experiências de cooperados e convidados especiais. Nos episódios já levados ao ar foram abordados assuntos como agronegócio, empreendedorismo, gestão financeira, meio ambiente, sucessão em empresas familiares, responsabilidade social e presença feminina no agronegócio e na administração corporativa.

Mais de 45 mil pessoas assistiram a esses eventos, que permanecem gravados no canal da Credicitrus no Youtube, compondo uma rica e variada videoteca à disposição dos interessados:

Homenagem ao agricultor

Karina Andriazi, em sua mensagem de abertura, salientou: “Ficamos felizes de realizar este episódio de nossa jornada justamente neste 28 de julho, em que se comemora o Dia do Agricultor”. Em seguida, observou: “Cá entre nós, chega a ser uma injustiça dedicar apenas um dia àqueles que se dedicam a nós todos os dias, inclusive nos finais de semana. Colocam comida na mesa dos brasileiros e de inúmeros consumidores no mundo inteiro. Cultivam matéria-prima que é convertida em energia limpa. São os campeões mundiais da preservação da natureza. E, contribuem para o equilíbrio da nossa economia, gerando empregos e renda”.

E complementou: “Por tudo que os agricultores representam, decidimos ter como convidado muito especial, hoje, um agricultor que simboliza a força daqueles que atuam no agronegócio. É o cooperado José Antonio Nogueira, que ingressou na Credicitrus em 1985. Ele tem 85 anos de idade, reside em Viradouro, SP, e cuida pessoalmente de sua propriedade. Por tudo isso, mais do que convidado, ele é o nosso homenageado desta tarde, representando todos os produtores rurais que fazem parte do quadro social de nossa Cooperativa”.

Cenário do agronegócio

O Professor Marcos Fava Neves fez na sequência um balanço sobre o agro brasileiro, abordando os seguintes pontos:

  • O agronegócio vive um momento histórico no Brasil e no mundo. Os preços em dólares são os mais altos dos últimos anos e o produtor brasileiro, graças à desvalorização do real, tem obtido renda mais elevada. Porém, precisa estar atento aos custos, que também estão em alta.
  • O que o Brasil fez nos últimos 20 a 30 anos é impressionante. Hoje, de tudo o que o mundo importa, são originários do Brasil 54% da soja, 80% do suco de laranja, 48% do açúcar, cerca de um terço da carne de frango e do café e 25% da carne bovina. O milho e o algodão brasileiros ocupam o segundo lugar nas importações mundiais, mas até o fim desta década o Brasil deve superar os Estados Unidos e liderar também nesses dois itens.
  • Na safra 2020/21, a renda no campo, que corresponde ao total de produto multiplicado pelo preço recebido, deve situar-se em R$ 1,1 trilhão. Esse é o valor bruto, do qual devem ser deduzidos os custos, calculados em R$ 700 a 800 milhões, correspondendo a tudo o que foi investido em insumos, máquinas, mão de obra e outros fatores que movimentaram a cadeia de negócios do agro.
  • Na safra 2020/21, o Brasil agregou 2,7 milhões de hectares à área de produção de grãos. Se essa terra era antes ocupada por pastagens, o investimento necessário para convertê-la para a produção de grãos é calculado em R$ 6 a 7 mil por hectare, o que dá uma ideia da dimensão do valor aplicado para esse fim. A previsão é de que, na safra 2021/22, esse fenômeno se repita e tenhamos um aumento de 2,2 a 2,5 milhões de hectares na área plantada com grãos.

A força do Sicoob no agro

Francisco Silvio Reposse Junior, diretor executivo Comercial de Canais do Sicoob, ressaltou que “a Credicitrus teve papel importante para impulsionar o crédito rural no âmbito do cooperativismo”. Acrescentou que o papel das cooperativas como provedoras de crédito é fundamental e que, nesse sentido, o Sicoob vem evoluindo de forma significativa: “No final de 2017, o saldo de nossa carteira de crédito era de R$ 11 bilhões e chegamos ao início do ano agrícola de 2021 com R$ 24 bilhões”.

Hoje, explicou, o Sicoob é responsável por 7,8% de todo o crédito rural brasileiro com recursos do Plano Safra. Se forem considerados os demais sistemas cooperativos do País, essa participação sobe para 22%.

Porém, fez uma ressalva: “As cooperativas têm que prover crédito, mas não vivem apenas de crédito”. Por isso, recomendou que as aplicações dos recursos disponíveis dos produtores sejam feitas nas suas cooperativas. E anunciou uma novidade: “Acabamos de lançar o Tesouro Direto [programa criado pelo Tesouro Nacional, que permite aplicação em títulos públicos e tem tido rendimento superior ao da poupança], que já está disponível para aplicação nas cooperativas do Sicoob”. Acrescentou: “Temos consórcios, modalidade ideal para planejamento de compras, principalmente de valor mais elevado. E complementou: “Temos também seguros e, nessa área, estamos fazendo um levantamento em todo o Brasil do impacto que a onda de frio desta última semana de julho está tendo nas lavouras dos cooperados, para avaliar como socorrer aqueles que sofreram prejuízos com geadas”.

Ao final, anunciou mais uma novidade: “Na primeira quinzena de agosto, vamos reabrir a linha de CPR com recursos do Sicoob e esperamos que ainda no terceiro trimestre seja reaberta a linha de CPR com recursos das próprias cooperativas”. A CPR – Cédula de Produto Rural é um título que viabiliza a produção e a comercialização agropecuárias por meio da antecipação de crédito rural. Com a CPR, a cooperativa antecipa os recursos ao produtor, que se compromete a resgatar financeiramente a cédula no seu vencimento.

Apoio da Credicitrus crescerá

Na parte final do evento, os diretores executivos da Credicitrus deram explicações sobre o apoio que a Coooperativa dará aos produtores rurais neste ano agrícola.

Domingos Sávio fez uma explanação sobre o completo portfólio de produtos e serviços disponibilizado aos cooperados que atuam na agricultura e na pecuária. Relembrou que desde janeiro vem atendendo os cooperados, preparando-se para o novo ano agrícola. Esse portfólio, com seus principais detalhes, englobando operações de crédito e financiamento, consórcios e seguros, pode ser conferido no post publicado no blog da Cooperativa sob o título “Ano agrícola começa com amplo apoio da Credicitrus ao produtor”, cujo link de acesso é: https://portalagro.sicoobcredicitrus.com.br/

Marcelo Soares chamou a atenção para o quadro econômico atual e seus reflexos no crédito: a retomada das atividades está ocorrendo em ritmo mais acelerado do que o calculado anteriormente, com a demanda em alta pressionando a inflação para cima. Com isso, a taxa de juros estimada para daqui um ano, que era de 5,8% a 5,9%, é hoje de aproximadamente 7%. Concluiu: “Se o Plano Safra fosse lançado hoje, a taxa para operações com recursos obrigatórios não seria de 7,5%, mas mais alta. Por isso, recomendo ao produtor que faça suas operações de custeio por meio da Credicitrus, aproveite essa taxa favorável, porque temos abundância de recursos para atendê-lo”.

Marcelo Martins disse ao final que, em todas as fases do ciclo agrícola, a Cooperativa está ao lado do produtor rural. Destacou que a Credicitrus possui uma estrutura de crédito rural extremamente robusta, com uma área de cadastro especializada, um backoffice preparado para prestar o melhor serviço e um quadro de especialistas para assessorar os produtores, composta por engenheiros agrônomos, técnicos e profissionais com ampla experiência no enquadramento técnico das operações. E completou: “Contem com a Crediciturs sempre, com toda a estrutura que temos e nossos quase 40 anos de experiência e excelência no atendimento”.

A íntegra do vigésimo sexto episódio da jornada SOMAR Forças está gravada no canal da Credicitrus no Youtube:

Escrito por alsouzacredicitruscombr

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *