O décimo sexto seminário on-line da Jornada SOMAR Forças da Credicitrus, realizado no dia 10 de fevereiro, tendo como palestrantes quatro produtores rurais cooperados, revelou que há motivos de otimismo para quem atua no agronegócio. Abordando o tema “Produtor rural, é hora de investir?”, o webinar foi transmitido ao vivo canal no Youtube da Credicitrus, onde permanecerá gravado.

Protagonizaram esse episódio os associados Celso Grisi, Cesário Ramalho da Silva, Frauzo Ruiz Sanches e Luiz Antonio Meireles Vasconcelos. O professor e cooperado Marcos Fava Neves, da USP e da FGV, foi mais uma vez o mediador do evento, que ainda contou com a participação dos diretores executivos da Cooperativa Walmir Fernandes Segatto (CEO), Domingos Sávio Oriente Franciulli (Comercial) e Marcelo Antonio Soares (Operações) e da gerente de Relacionamento com Associados e PAs, Karina Andriazi Cavazane.

Há oportunidades em muitas áreas, opinaram os palestrantes, e o produtor ainda pode aproveitar o amplo portfólio de produtos e serviços da Credicitrus, incluindo linhas de investimento com recursos próprios, similares às oferecidas pelo BNDES, porém com análise e liberação mais ágeis, conforme ressaltou Domingos Sávio. Por sua vez, Marcelo Soares enfatizou: “Há cinco anos repetimos que a agricultura brasileira vive o melhor momento. Isso vai continuar, o que torna essencial a contínua capacitação do produtor. Somos uma cooperativa forte porque temos cooperados fortes e, por isso, estamos otimistas com este ano de 2021”.

Destaques

Os principais destaques, entre as oportunidades ressaltadas pelos quatro cooperados, são os seguintes:

  • Algumas culturas continuam atraentes, a começar pelo milho, cuja demanda está em alta, enquanto outras devem manter-se com a procura em nível elevado, o que deve favorecer seus preços, como soja, laranja e amendoim, além da cana, beneficiada indiretamente pela alta do petróleo, estimulando a produção e o consumo de etanol;
  • O mesmo deve ocorrer com as carnes bovina, suína e de aves, cujas exportações têm aumentando, principalmente para a Ásia;
  • A fruticultura é outro segmento que merece atenção e pode representar uma via de inclusão econômica para o produtor de menor porte, em especial o agricultor familiar;
  • Vale a pena investir na recuperação da fertilidade do solo e na capacitação de mão de obra, para que se alcancem índices mais altos de qualidade e produtividade, tornando o produto brasileiro ainda mais competitivo;
  • Por fim, aplicar recursos em iniciativas visando à preservação ambiental e à recuperação de áreas degradadas, além de proporcionar benefícios diretos aos produtores, pode fortalecer a imagem internacional do Brasil.

As apresentações dos palestrantes são resumidas a seguir.

Luiz Antonio Meireles Vasconcelos

Pertence a uma família que começou cultivando algodão. Há alguns anos, dedica-se principalmente à suinocultura em Tupaciguara, no Triângulo Mineiro, sendo hoje um dos maiores fornecedores da BRF. Em paralelo, produz o milho utilizado nas rações para o plantel e atua na terminação de suínos para colocação no mercado interno: “É uma criação com elevado retorno e um segmento em ascensão. Há alguns anos o consumo nacional era de 11 kg/habitante/ano e hoje é de 18 kg/hab/ano”. Adicionalmente, mantém um grande viveiro de mudas de espécies nativas do Cerrado para recuperação desse bioma: “Fornecemos 1 milhão de mudas por ano”.

Suas recomendações e observações: a recuperação ambiental pode representar mais uma oportunidade de obtenção de receitas pelo produtor que for certificado nessa área, por meio da emissão de títulos verdes; é preciso olhar com carinho a agricultura familiar, que pode ter na fruticultura uma atividade com maior valor agregado, e nisso as cooperativas agropecuárias e de crédito podem desempenhar papel relevante; é igualmente necessário investir em gestão e sucessão familiar nas empresas rurais, para sua própria sustentabilidade e do agronegócio como um todo.

Cesário Ramalho da Silva

Pertence a uma família com longa tradição rural. Hoje concentra suas atividades em Canápolis, no Triângulo Mineiro, e em Naviraí, MS, dedicando-se predominantemente à cultura do milho. Tem ocupado a maior parte de seu tempo com o associativismo. Foi presidente da Sociedade Rural Brasil e da Associação Interamericana de Produtores de Milho (que reúne Brasil, Argentina e Estados Unidos) e hoje preside a Associação Brasileira de Produtoress de Milho (Abramilho). Para ele, “o milho é o grão do momento”.

Suas recomendações e observações: temos que ter políticas que estimulem o investimento na agricultura de pequeno porte; é necessário que o produtor se desenvolva tecnicamente e em gestão, pois “o mercado vai mudar e o que ficará é a competência”; é igualmente necessário investir na recuperação de terras exauridas, para que se tornem novamente produtivas; e “temos que ser menos proprietários e mais usuários da terra”.

Frauzo Luiz Sanches

Engenheiro agrônomo e membro da quarta geração de uma família de agricultores, originalmente formada por imigrantes espanhóis. Estes se instalaram inicialmente nos municípios paulistas de Sorocaba e Bocaina, onde cultivaram café e criaram gado leiteiro. Depois, mudaram-se para a região de Ibitinga, SP, onde seu pai passou a cultivar citros. Esta continua sendo a principal atividade do cooperado, que também produz amendoim, “cujos preços têm sido muito bons”, e cana-de-açúcar. Frauzo Sanches já presidiu o Sindicato Rural do município, do qual é hoje vice-prefeito e secretário de Agricultura. Adicionalmente, é sócio da Frucamp, de Catanduva, SP, fundada por citricultores, como alternativa de sobrevivência no mercado. Especializada na produção de suco de laranja concentrado, óleos essenciais e ração animal, a empresa destina quase a totalidade de sua produção para a Alemanha.

Suas recomendações e observações: as cooperativas podem representar um instrumento fundamental de apoio aos pequenos produtores, notadamente o agricultor familiar; em Ibitinga, temos feiras de produtores e procuramos estimular o poder público a adquirir diretamente deles; investir na recuperação de solo é essencial e, como exemplo, recuperamos uma propriedade que temos em Itaju, SP, que tinha 60% de saturação de alumínio na faixa de 0 a 20 cm de profundidade, e, por meio de calagem, gessagem e fosfatagem, tornou-se nossa área mais produtiva, gerando anualmente 600 sc/ha de amendoim e 1.200 a 1.500 cx/ha de citros.

Celso Grisi

Filho e neto de fazendeiros, advogado e economista, dedicou-se em grande parte à vida acadêmica, como professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP. Mas sempre manteve atividades no campo e, depois de aposentado, intensificou sua atuação no setor, em sua propriedade situada em Pirassununga, SP. É um grande produtor de abacates, de várias espécies, tanto para exportação quanto para o mercado interno. Em sua opinião, “a fruticultura merece maior atenção, pois gera um produto com maior valor agregado e pode representar uma boa oportunidade para os pequenos produtores”. Adicionalmente, é criador de gado de corte Bonsmara, sendo um dos integrantes da associação que reúne os pecuaristas dedicados a essa raça de origem sul-africana.

Suas recomendações e observações: a demanda interna por produtos agrícolas terá uma recuperação em “V” [ou seja, após uma queda acentuada retornará ao nível anterior com muita rapidez]; precisamos manter-nos sustentáveis, o que exigirá investimentos públicos e privados; precisamos de investimento externo direto e não especulativo e, para isso, é preciso dar segurança ao investidor, o que se conseguirá com as reformas administrativa e tributária e acelerando o programa de privatizações, “pois o mundo está líquido, tem dinheiro para investir, mas migrará para onde houver mais segurança”; é preciso continuar a diversificar os destinos de nossas exportações e também diversificar a base de produtos destinados ao mercado externo; para completar, o produtor dever buscar certificações (ambientais, sociais, de qualidade), capacitar sua mão de obra e adotar programas de manutenção de máquinas que prolonguem sua vida útil.

Gravação disponível

A gravação integral do décimo sexto episódio da Jornada SOMAR Forças, resumido acima, está disponível abaixo:

Escrito por sicoobcredicitrus

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *